quarta-feira, 31 de maio de 2017

SE O MUNDO É DOS JOVENS ... Uma reflexão sobre envelhecer na sociedade moderna

Vivemos num mundo que envelhece a cada dia!

 O que fazer quando se passar dos 50 e o mercado de trabalho começar a se estreitar?

O que refletir se os pensamentos nessa fase estão obsoletos para tanta tecnologia?

O que exercitar se o culto do corpo exalta a juventude  e condena o desgaste natural da matéria?


A você que trata os mais velhos, ou idosos, ou terceira idade, ou seja lá qual rótulo você irá criar para marginalizar essa fase da vida, dirijo minhas considerações:

Quem disse que é tempo de parar?

Quem disse que a vida tem "time over" para ação senão o próprio findar dela?

Quem ousa invalidar a mente, os saberes, a essência de quem já passou por tantas experiências, como se existisse uma data definida para o auge na vida de cada um?

O que faremos ao atingir esse patamar da vida se não morrermos fisicamente antes? Nos matamos intelectualmente? Sufocamos nosso conhecimento? Atrofiamos nossos sonhos e descartamentos nossas vivências?

Que sociedade é essa que acha "bonitinho" quem, após os cinquenta anos ou mais, namora, começa uma faculdade, um esporte novo? E para quem está na casa dos setenta ou e oitenta então? Por quê fazer parecer tão bizarro aquele que dirige, faz yoga, trabalha e se esforça para continuar VIVO, no mais amplo sentido da palavra?

Não invalidem a pessoa pela qual lutamos ser; aquela que passou por poucas e boas; que encarou muitos vendavais; que se superou depois de muitos tropeços e que tem a riqueza de todos esses momentos em sua memória, nas marcas do tempo em sua face e está pronta para partilhar e agregar na vida de alguém ...

Desafio a você, que olha o velho como peso morto a mostrar na essência, onde se mede a cronologia da alma, dos saberes e da capacidade de aprender. Todos as pessoas com vinte anos tem a mesma vivência? E com 30, 40, 60, 80 ... ?

Vamos quebrar esse preconceito de achar que o envelhecimento anula e invalida a pessoa que fomos, somos e podemos continuar a ser, com ou sem as limitações físicas.

Sempre teremos muito a ensinar e muito mais ainda a aprender!

Anna Feitoza
Neuropedagoga

quinta-feira, 25 de maio de 2017

O que é psicopedagogia? O que faz um psicopedagogo?

Na observação da falta de clareza sobre o quê o termo Psicopedagogia significa, o que faz e quem o faz, deixo minha contribuição para auxiliar na compreensão do que somos e fazemos.


Afinal, o que é "Psicopedagogia"?!?




"De acordo com o Código de Ética dos Psicopedagogos, “a Psicopedagogia é um campo de atuação em Saúde e Educação que lida com o processo de aprendizagem humana; seus padrões normais e patológicos, considerando a influência do meio - família, escola e sociedade - no seu desenvolvimento, utilizando procedimentos próprios da psicopedagogia” (Artigo 1º)".


Não é fácil "definir uma ciência", sobretudo quando se trata de uma "jovem ciência". Digo jovem porquê a Psicopedagogia chegou ao Brasil há cerca de 40 anos. Desenvolveu-se primeiramente na Europa onde, em 1946, foram fundados os primeiros Centros Psicopedagógicos. Na década de 70 estabeleceu-se na Argentina e logo a seguir veio para o Brasil.

A "Psicopedagogia" nasceu com o propósito de ocupar um espaço que efetivamente não pode ser preenchido pela Pedagogia, a Psicologia ou a Psicanálise. Todavia, não é propósito da Psicopedagogia intervir sobre quaisquer dessas áreas e sim interagir com as mesmas numa ação que chamamos de multidisciplinariedade. Ela estuda o processo de aprendizagem humana e suas dificuldades, atuando em caráter preventivo e terapêutico. Seu objetivo é trabalhar essas dificuldades nos vários campos do conhecimento, tendo como foco a escuta.

A psicopedagogia é só para crianças?

Não! A psicopedagogia é destinada a qualquer fase da vida, ou seja, é para crianças, jovens, adultos e idosos, isto porque ela cuida do processo de aprendizagem e o ser humano é um ser que aprende desde o nascimento até o fim de seus dias.
Além disso, sua atuação pode ser individual ou em grupo.

Como é conhecido o especialista em Psicopedagogia?

Esse profissional é chamado de Psicopedagogo. Hoje, podemos encontrar especialistas em Psicopedagogia ou Psicopedagogos que atuam nas áreas de ensino, saúde, ação social, clínica e institucional.

Como é feito esse Atendimento?

O atendimento Psicopedagógico é composto de algumas etapas, dentre elas:
  • Entrevista: é feita inicialmente com os pais, responsáveis ou familiares e tem como finalidade conhecer o histórico do atendido, levantando dados que levem a uma avaliação dos aspectos emocionais, comportamentais e pedagógicos que atravessem a aprendizagem.
  • Hipótese Diagnóstica: através da coletas de dados, aplicações de testes e avaliações, identificar as possíveis causas das dificuldades de aprendizagem, bem como, detectar situações em que seja necessário o acompanhamento de outro profissional (terapeuta, neurologista, fonoaudiólogo, pedagogo, psicólogo e outros). 
  • Intervenção: durante os atendimentos são realizadas diversas atividades com vistas a identificar as possíveis causas para a dificuldade apresentada, utilizando-se de alguns recursos como: dinâmicas, jogos, desenhos, brincadeiras, leituras /escrita, encenação, computador, entre outras. 
  • Devolutiva: durante o período de intervenção são feitas devolutivas (feed back/retorno) aos pais, responsáveis ou familliares, quanto ao trabalho desenvolvido, seu progresso e resultados. 

O que distingue o Psicopedagogo dos outros profissionais das áreas afins?

O Psicopedagogo se distingue pela visão ampliada. Seu olhar repousa sobre o atendido em sua inserção social, educacional e familiar e não sobre a dificuldade propriamente dita.

Essa visão ampliada ou "olhar psicopedagógico" dirige-se ao potencial inerente à cada um, extraindo deste aquilo que o caracteriza como essencial, único e individual e o capacita a desenvolver habilidades.

Vale esclarecer:

PSICOPEDAGOGO não é psicólogo e nem professor de reforço escolar.

Nosso trabalho é focado no processo de aprendizagem do indivíduo, em qualquer fase de sua vida, e nossa atuação acontece em parceria com diversas outras áreas como pedagogos, psicólogos, neurologistas, fonoaudiólogos e demais áreas afins.


Abraços a todos e até a próxima!
Anna Feitoza